Escrever


Saber escrever é mais
do que seguir regras frias.
Escrever é saber brincar com as palavras
de um jeito que cative e emocione
qualquer coração.

Mariana Borges

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Cicatrizes


Cicatrizes sempre vão doer,
mesmo que o tempo passe.
Elas sempre estarão ali
para nos lembrar de como fomos fortes.

Cicatrizes sempre vão incomodar,
mesmo que deixemos de olhá-las,
mesmo que tentemos esquecê-las.

Cicatrizes nunca passarão de cicatrizes,
de tristes marcas que o passado nos deixou.

Cicatrizes sempre vão machucar,
sempre vão nos fazer lembrar.

Cicatrizes existem para nos mostrar que vivemos,
que sobrevivemos e que estamos aqui.

Cicatrizes são as marcas mais visíveis das lutas que tivemos,
e que ganhando ou perdendo conseguimos sobreviver a elas.

Cicatrizes não são mortais;
só serão se você quiser que sejam.

Cicatrizes são a prova viva de que aquilo que nos machucou,
que nos entristeceu e que nos magoou existiu, mas ficou para trás.

Cicatrizes sempre serão cicatrizes,
mesmo que tentemos evitá-las,
mesmo que as reneguemos,
elas sempre estarão ali nos observando.


Mariana Borges






quarta-feira, 18 de maio de 2016

Insistência

Quantas vezes você disse
Que me adorava?
Muitas
Pena que eu nunca quis ouvir.

Quantas vezes você foi
Transparente?
Muitas
Pena que eu não acreditei.

Quantas vezes você quis
Me ajudar?
Muitas
Pena que eu não aceitei.

Quantas vezes você olhou
Dentro dos meus olhos?
Muitas
Pena que eu não revidei.

Quantas vezes você teve
Que suportar meu gênio ruim?
Muitas
Pena que eu não reconheci seu sacrifício.

Quantas vezes você acariciou
Meu rosto?
Muitas
Pena que eu não prestei atenção.

Quantas vezes você teve
Que me esperar?
Muitas
Pena que eu não soube aproveitar.

Quantas vezes você correu
Para aconchegar-se em meus braços?
Muitas
Pena que eu nunca tinha tempo.

Quantas vezes você disse
Eu te amo?
Muitas
Pena que eu respondia apenas também.

Quantas vezes você quis
Brincar?
Muitas
Pena que eu achava uma tolice.

Quantas vezes você quis
Apenas uma conversa?
Muitas
Pena que sempre o cansaço te ganhava.

Quantas vezes você quis
Atenção de verdade?
Muitas
Pena que eu nunca dava.

Quantas vezes você quis
Me mostrar que existia?
Muitas
Pena que eu não queria te enxergar.

Quantas vezes você sonhou
Com a gente?
Muitas
Pena que eu transformei esse seu sonho em pesadelo.

E agora quantas vezes
Vou ter que lhe pedir perdão
E falar-lhe do meu arrependimento
Do meu tolo coração?

Quantas vezes mais
Vou ter que dizer até te convencer
Que definitivamente
Não vivo sem você?


Mariana Borges