Escrever


Saber escrever é mais
do que seguir regras frias.
Escrever é saber brincar com as palavras
de um jeito que cative e emocione
qualquer coração.

Mariana Borges

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Cicatrizes


Cicatrizes sempre vão doer,
mesmo que o tempo passe.
Elas sempre estarão ali
para nos lembrar de como fomos fortes.

Cicatrizes sempre vão incomodar,
mesmo que deixemos de olhá-las,
mesmo que tentemos esquecê-las.

Cicatrizes nunca passarão de cicatrizes,
de tristes marcas que o passado nos deixou.

Cicatrizes sempre vão machucar,
sempre vão nos fazer lembrar.

Cicatrizes existem para nos mostrar que vivemos,
que sobrevivemos e que estamos aqui.

Cicatrizes são as marcas mais visíveis das lutas que tivemos,
e que ganhando ou perdendo conseguimos sobreviver a elas.

Cicatrizes não são mortais;
só serão se você quiser que sejam.

Cicatrizes são a prova viva de que aquilo que nos machucou,
que nos entristeceu e que nos magoou existiu, mas ficou para trás.

Cicatrizes sempre serão cicatrizes,
mesmo que tentemos evitá-las,
mesmo que as reneguemos,
elas sempre estarão ali nos observando.


Mariana Borges






quarta-feira, 18 de maio de 2016

Insistência

Quantas vezes você disse
Que me adorava?
Muitas
Pena que eu nunca quis ouvir.

Quantas vezes você foi
Transparente?
Muitas
Pena que eu não acreditei.

Quantas vezes você quis
Me ajudar?
Muitas
Pena que eu não aceitei.

Quantas vezes você olhou
Dentro dos meus olhos?
Muitas
Pena que eu não revidei.

Quantas vezes você teve
Que suportar meu gênio ruim?
Muitas
Pena que eu não reconheci seu sacrifício.

Quantas vezes você acariciou
Meu rosto?
Muitas
Pena que eu não prestei atenção.

Quantas vezes você teve
Que me esperar?
Muitas
Pena que eu não soube aproveitar.

Quantas vezes você correu
Para aconchegar-se em meus braços?
Muitas
Pena que eu nunca tinha tempo.

Quantas vezes você disse
Eu te amo?
Muitas
Pena que eu respondia apenas também.

Quantas vezes você quis
Brincar?
Muitas
Pena que eu achava uma tolice.

Quantas vezes você quis
Apenas uma conversa?
Muitas
Pena que sempre o cansaço te ganhava.

Quantas vezes você quis
Atenção de verdade?
Muitas
Pena que eu nunca dava.

Quantas vezes você quis
Me mostrar que existia?
Muitas
Pena que eu não queria te enxergar.

Quantas vezes você sonhou
Com a gente?
Muitas
Pena que eu transformei esse seu sonho em pesadelo.

E agora quantas vezes
Vou ter que lhe pedir perdão
E falar-lhe do meu arrependimento
Do meu tolo coração?

Quantas vezes mais
Vou ter que dizer até te convencer
Que definitivamente
Não vivo sem você?


Mariana Borges


segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Entendimento


Sabe, quando parece que seu coração vai parar de bater?
Quando tudo parece não ter mais jeito?
Quando tudo aquilo que você acreditava se foi?

Sabe, quando seus passos não conseguem chegar
e você não entende o motivo?
Quando não consegue compreender por qual razão umas estrelas brilham mais que as outras?

É difícil entender, quando tudo parece perder o sentindo
e tudo o que você mais queria não existe mais.
É complicado aceitar que coisas ruins aconteçam a pessoas boas
e até que o céu possa mudar de cor.

Sabe, quando você descobre que a perfeição não é uma realidade?
Quando descobre que a verdade não importa mais?
E muitas vezes você até gostaria de viver fora dessa realidade?

É mesmo difícil tentar entender para o que viemos e o que buscamos.
Talvez passemos a vida inteira sem saber.
É complicado aceitar abrir mão de certas coisas e a fazer escolhas.
É complicado aceitar que um dia não estaremos mais aqui,
mesmo que praticamente, já nasçamos sabendo disso...



Mariana Borges


quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

O sol e eu

Eu andava só,
caminhava seguindo o sol.
Meu interior estava destruído,
embora meu olhar ainda tivesse algum brilho.


Eu fugia das sombras,
das coisas que me faziam mal,
dos falsos sorrisos,
das falsas promessas.


Eu estava só,
caminhava seguindo o sol.
Meu coração não batia mais como antes,
embora ainda levasse comigo um belo sorriso.


Eu me sentia só,
caminhava buscando algo, que não sabia o que era.
Me sentia triste,
embora ainda me restasse um fio de esperança.


Mariana Borges

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Quantas Vezes

E quantas vezes eu voltei para casa com o coração sangrando,
cheio de mentiras, repleto de feridas,
depois de um longo dia?

E quantas vezes vou ter que errar,
para finalmente acertar e te provar,
que a vida sem mim não tem o mesmo sabor?

E quantas vezes tive que voltar de onde estava,
e com os olhos inundados de lágrimas tive que assumir que errei?

Quantas vezes tive que levar você comigo,
segurando o meu sorriso,
dentro do meu peito, tentando não te ferir?

E quantas vezes mais eu terei de suportar sua insensatez
e seus imensos planos, os quais nunca ou quase nunca faço parte?

E quantas vezes mais terei que pensar em mim
e acreditar que vai ser diferente?


Mariana Borges


quarta-feira, 10 de junho de 2015

Planos

Talvez nem tudo o que você planeje,
irá conseguir fazer.
E quem sabe um dia, você entenderá o motivo de não ter conseguido.

Talvez você nunca consiga ser feliz da maneira que quer...
E não entenderá o motivo do sorriso das outras pessoas.

Talvez você seja feliz e não tenha ideia disso.
E só entenderá depois que o tempo passar...

Talvez você sofra muito,
talvez não...
Talvez você encontre sua razão de viver,
talvez não.

Às vezes a vida pode querer brincar com você.
Te fazer se sentir pequeno.
A vida, propriamente dita eu não sei. Mas que, você encontrará pessoas que tentarão te diminuir, isso você vai.

Talvez você nem leia isso.
Talvez discorde.
Mas o fato é que estamos juntos em uma jornada chamada tempo.
E mesmo que você não acredite: Ele vai passar.

E não se sinta culpado por terem tentado te diminuir ou por não ter conseguido por em prática um projeto tão querido.
Com todo mundo é assim.
A gente vive e corre atrás.
Conseguir já é uma outra história...


Mariana Borges


quarta-feira, 3 de junho de 2015

Lembrança de uma melodia

E tanta coisa mudou entre nós dois...
tantos sonhos que não aconteceram.
Tantos sonhos que deixaram de ser sonhados.
O tempo passou
e como passou...

E tanta coisa mudou em nossos olhos
e nas nossas atitudes.
Seguimos caminhos tão diferentes...
como o tempo passou...

Como a vida passou depressa
ela nem ao menos nos deu tempo
para aprender e depois de fato viver...

A vida é assim
um dia após o outro
e se você não viver o hoje
não o viverá nunca mais...

E quanta coisa mudou
os risos mudaram
os cheiros
os gestos
os gostos...

Hoje somos apenas uma lembrança
de um passado, que passou...
E que não se pode mais voltar.
Somos lembrança de uma melodia, que soa infinitamente
em um passado, talvez inesquecível.


Mariana Borges